#Informe

GT de Gênero e Clima promove formação entre defensoras ambientais

ELABORAÇÃO: Jamille Nunes, Nara Perobelli, Marina Minari, Raisa Pina
PUBLICADO EM: 29 de setembro de 2021

Curso entre defensoras ambientais e comunitárias de diferentes regiões do país conta com série de encontros para troca de saberes e fortalecimento da rede

Mulheres de contextos diversos de defesa climática, ambiental e de direitos sociais, como extrativistas, marisqueiras, indígenas, ativistas, militantes e de periferias urbanas se reúnem em momentos de formação promovidos pelo Grupo de Trabalho de Gênero e Clima do Observatório do Clima e sua rede parceira. São mulheres que atuam em organizações socioambientais da sociedade civil interessadas em promover a segurança climática.

A ideia do curso  partiu de uma das formadoras, Sarah Marques, do coletivo Caranguejo Tabaiares Resiste (PE), durante uma atividade em 2020.  Ao explicar sua motivação, ela diz: “Eu queria entender como nasce uma defensora, mas é preciso entender por elas. Por isso fiz o pedido para a gente fazer defensoras por defensoras.”

O espaço visa promover um diálogo sobre clima, com perspectiva de gênero e suas intersecções, considerando os contextos em que elas estão: suas diferentes características sociais, experiências de vida, localidades, faixas etárias  e desafios que enfrentam no cotidiano. Essa é uma atividade-piloto, dirigida a lideranças territoriais comunitárias, para fortalecer o trabalho dessas mulheres enquanto defensoras climáticas do Brasil.

São aproximadamente trinta lideranças envolvidas, com o intuito de compartilhar conteúdo em encontros virtuais semanais e temáticos. A formação é composta por oito módulos (Semear, Raízes, Tronco, Caules, Galhos, Flores, Regar, Colher), que contam com a condução de Sarah Marques, Severiá Idiorê, Xica da Silva, Miriam Prochnow e Veridiana Vieira.

defensoras ambientais

Quem apoia?

O curso é uma realização de um conjunto de organizações por meio do Grupo de Trabalho em Gênero e Clima do Observatório do Clima. São elas: Associação de Preservação do Meio Ambiente e da Vida (APREMAVI), Engajamundo, Grupo de Trabalho Amazônico (GTA), Hivos, Instituto Centro de Vida (ICV), Instituto Internacional de Educação do Brasil (IIEB), Instituto Socioambiental (ISA), Instituto Sociedade, População e Natureza (ISPN) e Rede de Cooperação Amazônica (RCA).

“Este conteúdo não representa, necessariamente, a opinião do Observatório do Clima ou de qualquer um de seus membros.”

Jô Santin e o desejo da terra produtiva | Mulheres que Restauram

Integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Joscimar Marins Santin é a estrela do sexto episódio da Série Mulheres que Restauram por acreditar que é das mãos das mulheres que nasce o sonho da terra produtiva. “As árvores são vida e cada planta que a gente põe na terra a gente tem que colocar na terra com o maior carinho, porque a terra é como uma mãe e gera vida”, comenta Jô.

ler mais

Pin It on Pinterest